a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Juliano Sartori

Opinião

Eu sou …

Sou muito pequeno, sensível, extremamente dependente e necessito de oportunidades como meio ambiente adequado e outros seres vivos para que eu possa sobreviver. Tenho origem em primatas não humanos, ainda na década de 40. Não frequentava os humanos, pois não havia meios e instrumentos suficientes para habitá-los. Mas, como tudo é uma questão de tempo, iniciei minhas atividades na África, algumas regiões da Ásia e ilhas da Oceania. Em 2014, cheguei as Américas, através da Ilha de Páscoa.

Iniciei minhas atividades neste continente, de forma discreta, não me deram muita importância, apesar de me oferecerem todas as condições que precisava para me instalar. Ambiente poluído, contaminação da água, lixo em rios e açudes, esgotos abertos, ausência de estações de tratamento sanitário, desmatamento, resíduos químicos no solo e água, aglomeração de humanos, fluxos migratórios e imigratórios não controlados, más condições de higiene pessoais e coletivas. Enfim, tudo que eu precisava encontrei: negligências e descasos em saúde pública, precariedade de estruturas, humanos pouco esclarecidos, ausência de informação adequada.

Agora estou por cima, na mídia, como alguém desconhecido e de pouca importância, que assumiu notoriedade e pânico mundial. Não sou o acaso, o esporádico, o eventual, sou previsível, avisei, dei sinais e vocês não me levaram a sério.
Talvez minha história possa ser parafraseada pela música Gita, interpretada por Raul Seixas:

“Eu que já andei pelos quatro cantos do mundo…

Eu sou o medo do fraco
A força da imaginação
O blefe do jogador
Eu sou, eu fui, eu vou

Por que você me pergunta
Perguntas não vão lhe mostrar
Que eu sou feito da terra
Do fogo, da água e do ar

Você me tem todo dia
Mas não sabe se é bom ou ruim
Mas saiba que eu estou em você
Mas você não está em mim

Eu sou a mosca da sopa
E o dente do tubarão
Eu sou os olhos do cego
E a cegueira da visão”
Enfim, sou o Zika Vírus, da família flaviviridae, e tive origem na Floresta Zika em Uganda, em 1947 e após longa caminhada passei a infectar humanos principalmente através da picada de um vetor, o mosquito aedes aegypti. O mesmo vetor que ocasiona a dengue e a febre chikungunya. Ocasiono um quadro viral geralmente de início agudo e duração de 3 a 7 dias. Febre, artralgias (dor nas articulações), mialgias (dores musculares), cefaléia, manchas vermelhas na pele, indisposição digestiva, tosse, dor de garganta são os principais sintomas que ocasiono. Alguns destes sintomas podem durar até 30 dias.

Não tenho tratamento ou antídoto específico. Ainda não há vacina específica. O tratamento é sintomático a base de paracetamol (acetaminofen) ou dipirona. Não usem contra mim, ácido acetilsalicílico (AAS) ou anti-inflamatórios, pois posso desencadear uma reação hemorrágica grave. Mas, hoje estou apresentando meu novo repertório: posso ser transmitida por outros meios, contato sexual, peri-natal (mãe-feto) e até transfusões sanguíneas. Estou desafiando pesquisadores e organizações de saúde pública. Agora, clinicamente posso estar associado com doenças neurológicas graves como a microcefalia e síndrome de Guillain-barré.

As gestantes infectadas por mim podem ter o desenvolvimento de uma má formação fetal, reconhecida como microcefalia, que pode ocasionar danos neurológicos leves ou graves, que incapacitam estes seres humanos para a vida. A síndrome de Guillain-barré é uma reação auto-imune ocasionada pelo próprio organismo em resposta a minha presença no organismo. Ocorre a paralisia de nervos periféricos (membros) de forma progressiva podendo ocasionar a paralisia de nervos da coluna cervical e torácica com consequente tetraplegia.

O risco de vida se torna elevado. Já sou estrela, sou epidemia, sou desconhecido em diversos aspectos relacionados à minha patogênese. Já fiz história. Talvez, em breve já tenham vacina para me eliminar, mas, sou fruto mais uma vez do descaso em combater o principal modo de transmissão que é o vetor, o mosquito. Cuidem-se, livrem-se de mim, não sejam negligentes, se informem a meu respeito. Meu ciclo epidêmico deixará marcas nas suas vidas, mas não posso me estender, preciso ser erradicado.

Publicidade
Publicidade