a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Rogério Mesquita

Opinião

ROMANCES TRÁGICOS INESQUECÍVEIS

Alguns romances ficaram imortalizados por seu trágico desfecho. Aqui pretendo relembrar três deles, que envolvem os(as) seguintes amantes: Romeu e Julieta, Tristão e Isolda, e Paolo e Francesca. Por certo existiram outros romances inesquecíveis, tais como os de Abelardo e Heloísa, Agostinho e Flora Emília, ou Werther e Charlotte, que podem ser abordados noutra ocasião.

Começo descrevendo o enredo de Romeu e Julieta, escrito por Shakespeare no final do século XVI, que retrata o amor impossível entre os jovens, em razão da inimizade de suas famílias (Capuletos e Montecchios). Julieta estava prometida a outro, e visita o Frei Lourenço pedindo-lhe ajuda para escapar do casamento. O Frei lhe dá um pequeno frasco, que uma vez ingerido faz com que a pessoa durma e fique num estado semelhante à morte por quarenta e duas horas. Lourenço promete que enviará um mensageiro para informar Romeu de tal plano que irá uni-los. Porém, a mensagem acaba extraviada e Romeu pensa que Julieta realmente está morta. Romeu compra um veneno fatal e dirige-se para a cripta dos Capuletos (família de Julieta). Acreditando que sua amada está morta, ele bebe a poção. Julieta acorda e descobre a morte de Romeu; suicida-se com o punhal dele, vendo que a poção do moço não possuía mais nenhuma gota. A peça teatral termina com a elegia do Príncipe para os amantes: “Jamais história alguma houve mais dolorosa / Do que a de Julieta e a do seu Romeu”.

O romance de Tristão e Isolda, por sua vez, remonta à Idade Média, e pode ser assim resumido: Tristão, exímio cavaleiro, a pedido de seu tio, o rei Marcos da Cornualha, vai até a Irlanda para trazer a bela princesa Isolda para casar-se com seu tio. Durante a viagem de volta à Grã-Bretanha, os dois acidentalmente bebem uma poção de amor mágica, originalmente destinada a Isolda e Marcos. Assim, Tristão e Isolda apaixonam-se perdidamente um pelo outro. Isolda casa-se com Marcos, mas mantém com Tristão um romance que viola as leis temporais e religiosas e escandaliza todos. Tristão termina banido do reino, casando-se com Isolda das Mãos Brancas, princesa da Bretanha, apesar de seu amor pela outra Isolda. Tristão é mortalmente ferido em batalha e manda que busquem sua amada para curá-lo. Enquanto ela está a caminho, a esposa de Tristão – Isolda das Mãos Brancas – o faz acreditar que Isolda não viria para vê-lo. Tristão morre, e Isolda, ao encontrá-lo morto, morre também de tristeza.

Por fim, o romance de Paolo e Francesca, que efetivamente aconteceu e foi descrito no Canto V do Inferno, de Dante Alighieri. Boccaccio, por sua vez, conta que o casamento entre Giovanni e Francesca foi arranjado para superar o conflito entre famílias rivais: a de Guido Polenta (pai de Francesca) e a dos Malatesta. Guido considerava Giovanni Malatesta um homem valoroso, que herdaria a condição de Senhor de Rimini após a morte de seu pai. Francesca teve um caso de aproximadamente dez anos com Paolo, irmão de seu esposo Giovanni, bravo guerreiro, embora “coxo e desancado”, e filho do senhor da cidade de Rimini. Giovanni surpreendeu e executou os amantes, transpassando com a espada seus corpos unidos no ato de amor.

Esses romances trágicos foram imortalizados em contos, livros, peças de teatro e filmes. Contudo, a propósito do transcurso do Dia dos Namorados, faço votos que todos possam ter a felicidade de viver um amor como o de Romeu e Julieta, Tristão e Isolda, ou Paolo e Francesca, mas sem ter de viver sua dor. Basta um amor feliz, anônimo, esquecido pela literatura, pela fama e pelas redes sociais. Como diria Adélia Prado, basta a felicidade aliterária do “amor feinho”.

Publicidade
Publicidade