a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Cidade

Publicidade

Bernardo sai da UTI do Hospital de Clínicas em Porto Alegre 

Para conseguir respirar sozinho o bebê precisou fazer uma a traqueostomia

Por: Cristiane Rhoden
Fotos: Arquivo Pessoal
Bernardo

Enfim o bebê Bernardo saiu da Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital de Clínicas de Porto Alegre e está no quarto. O menino foi submetido a uma traqueostomia – procedimento realizado na traqueia que cria um orifício para facilitar a respiração – e respira sem aparelhos. Segundo a família a criança ainda precisa de acompanhamento, mas os médicos já acenaram com a possibilidade de em breve o garoto poder ir para casa.

Bernardo que completou seis meses no último dia 29 de outubro ainda não conhece a casa da família. Mas o colo da mãe Fabiana Cecatto Magalhães agora já é uma realidade. Na última semana o bebê fez a traqueostomia e está reagindo bem ao tratamento.  “Foi necessário fazer a traqueostomia porque ele ficou muito tempo entubado. O que nos anima é que ele não vai ficar com esse aparelho pra sempre. Na medida em que ele for crescendo poderemos tirar. Daí tudo vai ficar mais fácil. Ele ta bem. Cada dia mais gordinho e querido”, explica.

A criança ainda exige muitos cuidados e monitoramento diário. O bebê é alimentado através de sonda, mas não precisa mais ficar na UTI. Agora é preciso acompanhar o desenvolvimento sem ventilação mecânica. De acordo com os médicos quando o Bernardo der alta a família vai precisar ter aparelho de oxigênio em casa para uma eventual emergência. “Ele está no quarto. Ainda requer acompanhamento, mas cada dia a melhora é visível. Agora já posso pegar no colo meu filho. Nada no mundo paga isso. O Bernardo é um guerreiro e vai vencer mais essa”, declara emocionada a mãe.

O caso Bernardo

Bernardo estava internado na UTI da Fundação Hospitalar Santa Terezinha desde seu nascimento, em abril deste ano. O menino nasceu prematuro, com apenas 24 semanas de gestação. Pesava só 845 gramas. O bebe teve muitas complicações de saúde, típicas da prematuridade. Por mais de 30 dias aguardou com a família um exame que poderia detectar o que estava causando problemas respiratórios. Até o momento o menino respira com ajuda de aparelhos. O procedimento não é realizado na rede SUS em Erechim.  Na segunda-feira, 16, o tão esperado leito para realização do exame saiu. O bebê foi internado numa UTI Pediátrica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre para fazer o procedimento. A justiça de Erechim precisou expedir uma determinação judicial para que a criança tivesse acesso à vaga.