a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Cidade

Publicidade

Brincadeira de mau gosto causa constrangimentos a Amigos da Alegria de Erechim

A circulação de uma foto na internet com com legenda ofensiva aos integrantes do grupo vestidas de palhaço trouxe complicações ao Grupo e resultou em sérias providências

Por: Paloma Mocellin
Fotos: Arquivo Jornal Atmosfera
DSC_0239 (Copy)

Na última quarta-feira dia 12 de outubro, coincidentemente Dia das Crianças, o Grupo Amigos da Alegria foi convidado para participar da inauguração do novo espaço do grupo das Penélope Solidarias em Erechim. Como de costume as participantes se maquiaram e foram para o trabalho de alegrar e divertir pessoas.

Mas na data, um fato chocou o grupo e deixou transtornos aos participantes. Segundo o vice-presidente do Grupo, Nicolas Optiz, o que aconteceu foi que alguém fotografou as meninas que estavam em frente a uma parada de ônibus no centro de Erechim, vestidas de palhaço e colocou como legenda: “os assassinos chegaram”. Segundo ele, o que mais incomodou foi que uma página do Facebook pegou a foto e passou para frente.

“Posterior a essa foto ter caído na internet e nas redes sociais, uma das meninas do grupo, já recebeu ofensas do tipo: “E ai palhaço vai matar quem hoje”? Elas estão com medo de sair de casa sozinhas com roupas de palhaço”, disse.

“Em virtude disso estamos tentando criar uma campanha para mostrar pra sociedade quem nós somos, quem são os amigos da alegria e quem pertence ao grupo. E que essa insanidade que estão fazendo nos estados unidos não tem anda a ver com nós”, salientou.

Nicolas conta que o grupo se reuniu no último domingo, e tomou algumas medidas cabíveis como registrar o boletim de ocorrência para comunicar o fato. “Ainda estamos estudando o caso e vendo como as coisas vão seguir, mas o nosso pedido é de que para quem tiver acesso a essa imagem para que não repasse, e que isso não vá adiante. Que essa manada não tenha vez nem voz”, explica.

O vice- presidente pontua que o grupo ficou extremamente surpreso com o acontecimento, mas que a ideia é seguir em frente e não desistir das ações. “Não imaginávamos que isso iria acontecer, vimos essa bobagem acontecendo lá fora, mas nunca pensamos que a nossa imagem seria vinculada a esse tipo de coisa. Tudo foi muito pesado para o grupo como um todo, muitos integrantes tiveram crises de desespero, temos meninas com medo de sair de casa fantasiadas, para as ações no santa Mônica, mas que agora não vão mais fazer isso, porque estão com medo de sofrer agressões na rua. Foi um momento muito pesado, estamos buscando nos reestruturar. Estamos todos muito magoados”, confessa.

Daqui para frente

A ideia agora segundo Nicolas é montar uma campanha na internet para mostrar a cara do grupo e explicar como são feitas as ações dos Amigos da Alegria. “Ainda estamos estudando o caso, mas queremos mostrar a nossa cara, porque fazemos e como fazemos para tentar tirar o foco dessa coisa absurda. Vamos buscar nossa estrutura física e legal enquanto associação para que as pessoas saibam que trabalhamos com responsabilidade e seriedade”, disse.

DSC_0260 (Copy)

Missão dos Amigos da Alegria

Ao ser questionado sobre qual a real missão do grupo Nicolas enfatiza dizendo “Somos um grupo de quase 50 voluntários ativos, pessoas leigas e comuns que tem por objetivo visitar hospitais, clínicas, entidades sociais, privadas ou não e nesses locais distribuir boas energias, boas vibrações, esperança para o momento de doença que as pessoas estão vivendo, demonstrando que isso pode ser transitório e que passa”, explicou. Ainda segundo ele, já existem pesquisas para comprovar sobre o quanto essas ações são favoráveis a recuperação dos pacientes.

“Queremos transformar o mundo e levar alegria e sorrisos a todos que precisam. Se todo mundo topar faremos um mundo melhor. E não vamos desistir. Embora isso tenha nos machucado, sabemos que só apanha aquele que se destaca. O palhaço deve ser  visto como aquele que vem para alegrar é isso que queremos levar adiante na cura e no bem estar de quem está doente”, esclareceu.

“Sim, nós somos pessoas do bem” 

Nicolas diz que não tinha nenhuma dúvida de que o grupo era visto como pessoas do bem. “O acontecido foi uma ação impensada de alguém, uma brincadeira de mau gosto. Afinal, assassinato não é uma coisa leve. Mas queremos e vamos tirar isso fora e mostrar a real”, disse.

DSC_0203 (Copy)

O integrante ainda explica que o grupo nunca foi recusado por ninguém em nenhuma ação. “Algumas pessoas apenas ficam mais retraídas, mas nunca fomos insultados ou coisas do tipo. Sempre respeitamos a todos e em todos os momentos. Confesso que nos assustamos por entender que ainda tem pessoas ruins no mundo, mas é um tapa de realidade que vai servir como força, e nos trouxe algumas respostas”, finalizou.