a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Região

Publicidade

Heinze defende reativação de quase dois mil quilômetros de ferrovias no RS

Ele solicitou levantamento da demanda que pode ser transportada em toda a região

Por: Asscom
Presidente da ACCIE, Fábio Vendruscolo, ao lado do deputado federal Luis Carlos Heinze

Dentro do seu Programa Atitude Ativa, a Associação Comercial, Cultural e Industrial de Erechim promoveu, no final da tarde desta quinta-feira, 26 de janeiro, uma palestra com o Deputado Federal Luis Carlos Heinze, sobre “Possibilidades de reativação da linha férrea e o desenvolvimento regional”.

Esta foi a primeira atividade reunindo associados e empresários da nova Diretoria da ACCIE Gestão 2018/2019. A abertura do evento foi feita pelo presidente Fábio Vendruscolo, que deu as boas-vindas a todos e destacou a importância de debater temas que envolvem o desenvolvimento regional.

O deputado Heinze apresentou um mapa do estado gaúcho com os traçados das estradas de ferro, e a possibilidade da reativação de quase dois mil quilômetros de ferrovias no Rio Grande do Sul, incluindo trecho na nossa região. Segundo ele, é preciso conceder aos produtores esse modal de transporte para o escoamento da produção. Ele falou que trabalha na Câmara Federal para desburocratizar as liberações deste tipo de transporte e tem entrado em contato com representantes da empresa Rumo/ALL, cobrando investimentos da concessionária de logística para reativação de linhas ferroviárias no Rio Grande do Sul.

O parlamentar também sugeriu para as empresas, entidades, cooperativas e empresas cerealistas, inclusive empresas de materiais de construção, para que executem um levantamento da demanda que pode ser transportada na região. “A reativação da estrada é de suma importância para os municípios, pois vários são os produtos que podem ser transportados pela rede férrea. Todos os segmentos regionais (industrial, agropecuária e o comércio) estão convictos dessa realidade”, argumentou.

Heinze ainda apresentou um panorama do orçamento da União e o déficit das contas públicas, destacando que o país destina 46,5% do seu orçamento para o pagamento de encargos e juros, 21% na previdência social e somente 4,38% na saúde, 3,45% na educação e 3,05% em trabalho e renda. Do total do orçamento, somente 9,03% vai para estados e município.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade