PUBLICIDADE

Salto Alto

Publicidade

Adolescentes criam aplicativo para proteger as mulheres que andam sozinhas na rua à noite

Com apenas 15 e 16 anos, cinco adolescentes de Móstoles (Madri) criaram um aplicativo para proteger as mulheres que andam sozinhas na rua à noite: “É uma realidade: as mulheres saem com medo pelas ruas”.

Por: We Fashion Trends
mulher-andando-sozinha

Elas se chamam Nuria Villoria, Lucía Fernández, Lucía Adrián, Paula Fernández e Sandra Camacho, cujo objetivo é que as mulheres possam andar sozinhas na rua sem medo e, por isso, criaram When & Where, um aplicativo que geolocaliza as mulheres que o baixam e envia um alerta ao telefone caso parem ou não estejam perto do destino. Caso o usuário não responda, um aviso é enviado ao contato de emergência escolhido. Além disso, este aplicativo é totalmente seguro, pois o local é compartilhado apenas no caso de a usuária estar em risco. E, embora se concentre nas mulheres, seus criadores convidam você a fazer o download para também proteger homens, meninos ou pessoas com Alzheimer.

Combater o medo de muitas mulheres com um aplicativo

O projeto começou no ano passado, quando essas cinco adolescentes estavam no quarto ano do ESO e seus professores sugeriram que participassem do programa Desafio Technovation, que propõe aos alunos a criação de aplicativos úteis para resolver os problemas de suas comunidades.

“Queríamos quebrar esse medo, expressá-lo e mostrar que também temos voz. Nossa voz, no momento, é o aplicativo que criamos”, explica Nuria, uma das criadoras.

Com a ideia dessa inscrição e sob o nome de LPSN Company – pelas iniciais – chegaram ao final do concurso, realizado em San Francisco em julho do ano passado. E elas tiveram muito sucesso: 50.000 downloads e milhares de mensagens de agradecimentos por mulheres que tiveram os mesmos problemas dos criadores e que finalmente encontram uma solução

“Eles estão avaliando um trabalho que realizamos, mas também significa que estão precisando. Eu ficaria muito mais satisfeita se nosso aplicativo parasse de ser usado porque esse problema não existe”, explica Sandra.

A violência ainda é um indicador de desigualdade

De acordo com dados revelados por uma pesquisa realizada em 2018, uma em cada três mulheres sofreu assédio sexual nas ruas. Isso mostra que há uma clara desigualdade de gênero e que as mulheres, sendo mulheres, carregam uma mochila de medo quando andam sozinhas na rua. Por esse motivo, meninas, adolescentes e mulheres são limitadas em seus passos, evitam andar por certas estradas ou sair na rua em determinados momentos.

É conhecida como Síndrome da Chapéuzinho Vermelho porque, como consequência, as mulheres se tornam alvo de violência e mensagens como “tenha cuidado”, “deixe alguém acompanhá-la”,

O objetivo dessas cinco adolescentes não é ajudar e proteger as mulheres, mas também, garantir que um dia não seja necessário que esses recursos existam para viver com segurança e liberdade:

“Queremos que no futuro – esperemos que esteja próximo – as mulheres tenham oportunidades iguais e que, como os homens, possam sair sem correr riscos “.

O aplicativo no momento só está disponível para Android e você pode baixar aqui

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade