divdiv
PUBLICIDADE

Cidade

Publicidade

Apenas 4% testaram positivo ao Coronavírus na campanha de testagem em Erechim

''Isso nos preocupa, porque nós tivemos positivos na primeira vez 17% e na segunda em torno de 4%. A curva está em fase descendente, mas em compensação a resistência imunológica que temos em nossos cidadãos é muito baixa''. Informa o médico.

Por: Dhieison Cardoso
URGENTE-CORONA

Após divulgação do resultado da campanha ‘Testa Erechim’ que foi realizada entre os dias 14 e 18 de setembro, os números demonstraram baixo índice de casos positivos em relação ao número expressivo de testes realizados.

A campanha foi uma parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde, a Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS) e a Universidade Regional Integrada (URI Erechim) e foram detectados 89 testes com resultado positivo (IGG/IGM) e outros 07 que apresentaram resultado inconclusivo.

Surpresa no resultado

Para o Secretário de Saúde Dércio Nonemacher, os resultados chamam atenção pelo número baixo de testes positivos. ”O Testa Erechim, onde foram feitos mais de 2 mil testes, nos levou há algumas surpresas. Em primeiro lugar, o baixo número de pacientes que tiveram reação positiva a detecção do vírus. Os positivados significam que tiveram contato com o Coronavírus, mas não desenvolveram a doença”.

Resistência imunológica em Erechim

Para o médico, é importante analisar que, ”A maioria dos participantes, não tiveram reação imunológica positiva. Podendo até ter tido a doença, mas não adquiram a resistência imunológica que esperávamos”. Explica Dércio.

Observações e possibilidades

Diante do resultado, foram levantados alguns questionamentos, observações e possibilidades em relação a doença e a testagem em escala da população de Erechim. ”Nos leva as vezes a acreditar, que este vírus pode estar sofrendo mutações ou não está provocando reação imunológica para quem já teve a doença”.

Preocupação

”Isso nos preocupa, porque nós tivemos positivos na primeira vez 17% e na segunda em torno de 4%. A curva está em fase descendente, mas em compensação a resistência imunológica que temos em nossos cidadãos é muito baixa”. Informa o médico.

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE