a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

A Voz da Diocese

Opinião

Lições de vida

A Voz da Diocese (12/8/2018)

Estimados Diocesanos!Dentro das celebrações do mês vocacional, neste domingo, lembramos os nossos pais. Embora a convivência familiar, às vezes, possa não ter sido das mais harmoniosas entre pais e filhos, por questão de temperamento, opinião etc., creio que todos nós temos capacidade de amadurecer no caminho da vida e rever as lições que recebemos em família. Esta atitude nos ajuda a retomarmos o elo de afeto com os nossos pais que pode ter se rompido por fatos e acontecimentos que marcaram a nossa vida no passado, às vezes deixando feridas mal curadas, tornadas grandes cicatrizes, que podem ser curadas somente recorrendo à medicina do amor e da compaixão que leva ao perdão e à reconciliação.

Aprecio muito quando, nos finais de semana, observo os pais brincando com seus filhos. Para estarem próximos e interagirem com os pequenos, de certa forma, “voltam” a ser crianças. Mas talvez seja este um dos momentos mais belos na vida de uma criança: ter a oportunidade de brincar com o seu pai, seu herói, de quem levará recordações por toda a sua existência. São momentos bonitos como estes que ajudam a fortalecer os laços de afeto, que nos acompanham ao longo da vida, principalmente quando, no entardecer da existência, precisamos da presença daqueles que cuidamos um dia quando eram crianças.

Procuro observar como são importantes o carinho e a presença dos filhos na vida dos pais quando estes já não conseguem ter o domínio do cotidiano, tendo o corpo debilitado por ter visto muitas vezes o sol se por no horizonte. Estar por perto, ser presença, estender uma mão amiga ajudando-os para que possam dar alguns pequenos passos, mesmo quando o corpo já não obedece à mente, e quem está tão próximo pode tornar-se um desconhecido. Louvo e agradeço a Deus, quando vejo, nos hospitais e nas casas, os filhos ocupando-se do cuidado dos pais.

Para os pais, a condição de passarem de protetores e cuidadores dos filhos à condição de deixarem-se cuidar por eles é um caminho de aprendizado que às vezes pode ser difícil de aceitar. Requer humildade para reconhecer os próprios limites, deixando que as lições de amor e afeto mostrem seus frutos no cuidado da vida. Minhas saudações a todos os pais.

Tende todos um bom domingo.

+ Dom José Gislon – Bispo Diocesano de Erexim

Publicidade
Publicidade