- Atmosfera On.line - https://atmosferaonline.com.br -

Caso Bernardo: Todos os réus condenados

Passavam das 19 horas desta sexta-feira quando a juíza Sucilene Engler começou a ler a sentença dos acusados no Caso Bernardo. O Conselho de Sentença considerou todos os réus culpados pelo homicídio e ocultação de cadáver do menino Bernardo Boldrini, morto em abril de 2014, aos 11 anos.

O pai de Bernardo, o médico Leandro Boldrini foi condenado a 33 anos e 8 meses de reclusão em regime inicial fechado, sendo 30 anos e 8 meses por homicídio, 2 anos por ocultação de cadáver e 1 ano por falsidade ideológica.

A madrasta de Bernardo, a enfermeira Graciele Uguline foi condenada a uma pena de 34 anos e sete meses de reclusão em regime inicialmente fechado. Foram  32 anos e 8 meses por homicídio e 1 ano e 11 meses por ocultação de cadáver.

Edivânia Wirganovicz, foi condenada a 23 anos de reclusão, dos quais, 21 anos e 4 meses pelo homicídio e 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver, em regime inicialmente fechado.

Evandro Wirganovicz foi condenado a 9 anos e seis meses, sendo 8 anos por homicídio e um ano e seis meses pela ocultação de cadáver em regime inicialmente fechado. Como já cumpriu quatro anos e 10 meses, restando cumprir período inferior a oito e superior a quatro anos, o  regime passou para o semiaberto.

Histórico

Bernardo Uglione Boldrini, filho de um renomado médico de Três Passos desapareceu em 4 de abril de 2014. Seu corpo foi encontrado 10 dias depois, dentro de um saco plástico e enterrado às margens de um rio em Frederico Westphalen. Edelvânia Wirganovicz, amiga da madrasta Graciele Ugulini, admitiu o crime e apontou o local onde a criança foi enterrada.

Durante o período em que Bernardo ficou desaparecido uma grande comoção tomou conta da cidade de Três Passos.

Em 16 de abril foi decretada a prisão temporária de Leandro Boldrini (pai), Graciele Ugulini (madrasta) e Edelvânia Wirganovicz (amiga da madrasta). Em 10 de maio o irmão de Edelvânia, Evandro Wirganovicz foi preso por participação no crime. No dia 13 de maio foi decretada a prisão preventiva dos réus, que responderam ao processo presos, já tendo cumprido praticamente cinco anos da pena.