divdiv
PUBLICIDADE

Simone Krauze

Nutrição

Dieta x Reeducação Alimentar

O que tenho observado na pratica clinica é que somente após se submeterem a vários tipos de dietas e também utilização de medicamentos para emagrecimento, os pacientes na ultima tentativa buscam orientação com o Nutricionista, trazendo consigo, muitas crenças, inclusive que este profissional é o “ditador” da história, o responsável pela privação da alimentação. Na verdade estamos vivendo em uma sociedade com grande insegurança em relação ao consumo de alimentos.

Tornaram a nossa alimentação num verdadeiro terrorismo nutricional, cheio de “modismos” alimentares. Existem dietas para tudo. Mas você sabe a real diferença entre Dieta e Reeducação Alimentar?
A palavra “dieta” tem origem do grego “díaita”, que significa “modo de vida”, ou seja, refere-se ao conjunto de alimentos e bebidas ingeridos habitualmente por uma pessoa, formando seu habito alimentar. Para uma dieta alimentar ser equilibrada, ela deve que conter a quantidade adequada de nutrientes para garantir as necessidades nutricionais diárias.

No entanto, a utilização de dietas “milagrosas” que prometem redução rápida de peso, normalmente estão desequilibradas em nutrientes e não consideram os hábitos alimentares atuais do individuo, pois objetivam a redução drástica dos alimentos. Essas dietas fazem uma verdadeira “bagunça” no seu metabolismo, fazem com que você crie pensamentos obsessivos por comida e desenvolva um péssimo relacionamento com a mesma, aumentando as chances do desenvolvimento de compulsões alimentares e transtornos alimentares.
Por outro lado, a Reeducação alimentar (R.A) é um processo que promove a conscientização de mudanças na rotina alimentar. Portanto, é um processo gradual, de incorporação de hábitos muito mais saudáveis. Nesta conduta nutricional, não há restrição total de nenhum nutriente e não há grandes proibições.

A pessoa aprende a comer de verdade e ter a consciência do que come. A Reeducação Alimentar faz com que você conviva com alimentos não saudáveis e aprende o limite certo de consumo destes, porque a alimentação deve ser controlada de dentro e não combina com culpa, medo ou vergonha. Você entende que não existe alimento ruim ou bom. Mas que comida é comida e o que importa é o equilíbrio. Para tudo isso, é preciso ter vontade de mudar hábitos e principalmente disciplina e persistência, já que é um processo a ser mantido por toda a vida.

Publicidade
Publicidade
Publicidade