PUBLICIDADE

Educação

Publicidade

Curso de Arquitetura e Urbanismo da URI realiza visitas técnicas de estudos no Paraná

A visita foi planejada pelas Professoras Vanessa Tibola da Rocha e a Natalia Bula como uma oportunidade de proporcionar aprendizado e experiências arquitetônicas diferentes do cotidiano dos acadêmicos, com o intuito de ampliar o repertório e o olhar crítico dos mesmos

Por: Ascom URI Erechim
WhatsApp Image 2019-09-20 at 8.50.38 AM

Alunos do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), realizaram, nos dias 20, 21 e 22 de setembro, visitas técnicas de estudos em diversas edificações, parques e bairros das cidades de Curitiba, Morretes e Antonina, no Paraná.

A visita foi planejada pelas Professoras Vanessa Tibola da Rocha e a Natalia Bula como uma oportunidade de proporcionar aprendizado e experiências arquitetônicas diferentes do cotidiano dos acadêmicos, com o intuito de ampliar o repertório e o olhar crítico dos mesmos. As professoras ressaltaram que Curitiba é uma cidade que apresenta, como muitas outras cidades brasileiras, problemas, mas que tem muitas potencialidades que são referência internacional em nível de planejamento e mobilidade urbana unidos à preservação das áreas verdes.

A viagem, que fez parte da disciplina ‘‘visitas técnicas de estudos’’ começou com visitas ao Jardim Botânico, Museu Oscar Niemeyer, Parque Tanguá e Torre Panorâmica, de onde se tem uma melhor compreensão de alguns aspectos urbanísticos da cidade.

No segundo dia, o grupo conheceu o Centro Histórico de Curitiba, Rua 24 horas, Rua das Flores, Ópera de Arame, Mercado Público, Edifício Cine Passeio (antigo quartel restaurado recentemente) e o Shopping Estação (que foi uma estação ferroviária e hoje abriga o Museu Ferroviário de Curitiba).

No terceiro e último dia, os acadêmicos foram às cidades históricas de Morretes e Antonina. Além da experiência de locomoção de trem, um modal não muito utilizado para transporte de passageiros no Brasil, no trajeto de 4 horas os estudantes tiveram acesso a informações históricas da região.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade