a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Política

Publicidade

Em Erechim Heinze diz que Estado precisa simplificar a tributação e investir em logística e energia

Pré-candidato do Progressistas ao Governo do Estado considera também que é preciso mudar a forma de negociar a dívida do RS com a União

Por: Ivanor Oliviecki
Fotos: Ivanor Oliviecki
heinze em erechim (10)

O deputado federal Luiz Carlos Heinze, pré-candidato ao Governo do Estado pelo Partido Progressista, considera que a negociação da dívida do Rio Grande do Sul com a União depende da pressão política. Em entrevista durante sua passagem pela região, onde cumpre agenda em Erechim e outros municípios do Norte do Estado, o pré-candidato disse ainda que o Rio Grande do Sul é deficitário em logística, energia e comunicação.

Para ele as condições para solucionar os problemas do Estado passam pela negociação da divida com a União. “No orçamento de 2017, o Estado pagou R$ 19 bilhões em juros e teve um déficit na previdência de R$ 10 bilhões. Num orçamento de R$ 63 bilhões, quase 50% está comprometido com juros e o déficit da previdência, e isso dá uma dimensão do tamanho do problema”, explica. Porém Heinze se mostra animado em dizer que o Estado tem jeito. “A primeira ação é fazer uma negociação diferente com o governo federal. Os governos fazem negociações pontuais, precisamos fazer pressão política, reunindo os estado devedores”, destaca. Segundo o pré-candidato, que integra a comissão da Câmara que discute a Lei Kandir, a União deve aos Estados cerca de R$ 550 bilhões, enquanto os Estados devem à União R$ 650 bilhões. “Os estados tem pra receber cerca de 80% do que devem”, revela. “E é pela força política é que começa a solução dos problemas do Estado”, enfatiza.

A partir da redução do problema da dívida do Estado Heinze acredita ser possível atuar de forma a atrair e manter investimentos. “Precisamos simplificar a legislação tributária, pois a carga tributária, em com junta com outras dificuldades, como a legislação ambiental que atrasa processos de licenciamento, afastam investimentos”, comenta.

Sobre o Alto Uruguai, o pré-candidato diz que espera que a região apresente suas demandas, a fim de estimular o desenvolvimento estudando as referências. Mas adianta que, assim como outras regiões do Estado, o Alto Uruguai carece de logística, que se reflete nos acessos aos municípios e também com a necessidade de reativação da ferrovia. “Temos 1300 km de ferrovias desativados no Estado, e temos que cobrar que a concessionária reative esses trechos”, reforça. Outro aspecto destacado pelo pré-candidato do PP é que o Rio Grande do Sul também é carente em energia, pois 50% do que consome é gerada em outros estados, bem como mencionou as deficiências no serviço de telefonia móvel.

Em sua passagem pela região, na noite desta quinta-feira Heinze está participando de de uma reunião regional com os Progressistas do Alto Uruguai, no Clube Caixeiral.

Nesta sexta-feira, dia 13, às 8h30min, estará no Sindicato Rural de Erechim, conversando com empresários, comerciários, lideranças do agronegócio e comunidade, de depois segue em visita pela região da Amau.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade