a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Região

Publicidade

Em Erechim, lideranças debatem a situação das barragens gaúchas

Audiência Pública aconteceu durante a tarde, na Câmara de Vereadores

Por: Da Redação
Fotos: Divulgação
audiencia barragens

Deputados, prefeitos, vereadores, secretários municipais, representantes de instituições governamentais, empresas, e de movimentos sociais, participaram da primeira audiência pública das barragens, na Câmara de Vereadores de Erechim. O debate promovido pela Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, nesta sexta-feira (24), marcou o início do trabalho parlamentar que busca diagnosticar problemas, apresentar soluções e prevenir tragédias a exemplo de fatos ocorridos em Mariana e Brumadinho, municípios atingidos por resíduos após o rompimento de duas represas de minério.

O deputado Paparico Bacchi (PR), proponente da audiência pública e relator da subcomissão, reiterou o caráter técnico da subcomissão formada pelos deputados Franciane Bayer (PSB), Edegar Pretto (PT), Silvana Covatti (PP) e Vilmar Lourenço (PSL). O parlamentar reiterou que a discussão é oportuna e acredita que o relatório deverá apresentar conclusões necessárias para criar um ambiente de tranquilidade à população gaúcha, especialmente nas comunidades localizadas próximas as barragens existentes no RS.

O promotor de justiça de São Valentim, Adriano de Araújo, elogiou a iniciativa do Parlamento Gaúcho e salientou que a sociedade raras vezes debate ações preventivas sobre temas que podem impactar na vida de todos.

Durante os trabalhos o representante da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Nelson Freitas, apresentou um relatório de fiscalizações realizadas no Rio Grande do Sul, onde há 1.716 barragens outorgadas e passíveis de fiscalização. Ao Estado compete fiscalizar as barragens para armazenando de água, destinadas à irrigação, bem como, açudes que armazenam recursos hídricos. Ao todo o Brasil tem das 24 mil barragens que atendem a diversas finalidades.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), apontou números que comprovam a arrecadação e o faturamento das usinas hidrelétricas. Desta forma, Fernando Fernandes, que é membro da coordenadoria, afirmou que a carência de planos de segurança das barragens não está atrelada a falta de dinheiro. O deputado federal Dionilso Marcon (PT), alinhado com o mesmo estudo do MAB, defendeu maiores investimentos em lautos técnicos e sugeriu a contratação de universidades federais para esta finalidade.

O deputado estadual Vilmar Lourenço parabenizou a iniciativa, enfatizando os aspectos abordados na audiência como o físico, humano, social e, principalmente, a segurança destas barragens.

Também se pronunciaram no ato o vereador Alderi Oldra – presidente do poder Legislativo de Erechim, Natival Freitas Júnior – coordenador da Defesa Civil Municipal, Adriana Kátia Tozzo – prefeita de Itatiba do Sul, Humberto Toazza – vice-presidente da Cooperativa Regional de Eletrificação Rural (Creral), Nilton Cipriano Dutra de Souza -diretor regional do Sindicato dos Engenheiros do RS, Aldomir Antonio Santi – superintende regional da Companhia Riograndense de Saneamento  (Corsan), Alexandre Wessner Kapper e Marcelo Eustaquio de Carvalho – Ministério do Desenvolvimento Regional.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade