a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Economia

Publicidade

Endividamento das famílias gaúchas recua para 67,4% em agosto, apura a Fecomércio-RS

Cartão de crédito segue como principal meio de endividamento (87,8%), seguido por carnês (15,8%), crédito pessoal (12,9%) e financiamento de carro (12,1%)

Por: Da Redação
cartaocredito

O indicador que mede o nível de endividamento dos gaúchos registrou queda em agosto deste ano em relação a agosto do ano passado, ficando em 67,4%, contra 74,4% apurados em 2017, segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) realizada pela Fecomércio-RS. Os dados completos da PEIC foram divulgados nesta segunda-feira, 10 de setembro. A pesquisa pode ser acessada aqui.

Segundo o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, o resultado mantém o percentual de famílias gaúchas com dívidas em nível confortável, considerando que os demais indicadores da pesquisa estão historicamente baixos.

A parcela de renda comprometida com dívidas ficou estável em relação a julho/2018, em 30,6%, e o tempo de comprometimento com dívidas apresentou leve recuo, para 7,1 meses. “O momento de queda na desocupação e inflação baixa tem contribuído para uma situação melhor no endividamento das famílias”, explica Bohn. O cartão de crédito segue como principal meio de endividamento (87,8%), seguido por carnês (15,8%), crédito pessoal (12,9%) e financiamento de carro (12,1%).

O percentual de famílias com contas em atraso diminuiu significativamente. No mês de agosto atingiu 19,8%, e no mesmo período de 2017 apontava para 34,8%. Para o presidente da Fecomércio-RS, a recuperação do mercado de trabalho tem contribuído para a regularização de dívidas vencidas.

O percentual de gaúchos que não terão condições de honrar suas dívidas vencidas no prazo de 30 dias foi de 3,9%, o menor já apurado desde janeiro de 2014. No mesmo período de 2017 estava em 12,8%. “Além da redução apurado nos últimos meses, o grau de persistência da situação de inadimplência neste patamar reforça o cenário confortável do nível endividamento”, destaca Bohn.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade