a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Geral

Publicidade

Entidade de controle social clama por Lei Municipal anticorrupção

Com essa Lei ficou mais fácil punir empresas que lesam o patrimônio e a administração pública

Por: Ascom
0001

O Observatório Social de Erechim (OSE), sempre preocupado com a melhoria da gestão pública e a justiça social, promoveu de uma reunião com representantes da administração, do legislativo e da promotoria de Justiça erechinense, na tarde de terça-feira (09), na sala de reunião do Sindicato do Comércio Varejista do Alto Uruguai Gaúcho (Sindilojas), para discutir a implantação da Lei Anticorrupção no município.

A reunião contou com a participação do prefeito Luiz Francisco Schmidt, a promotora de justiça Karina Denincol, o presidente da Câmara de Vereadores Alderi Oldra, o Secretário de Administração Valdir Farina, o procurador geral do município Luiz Carlos Coffy, os procuradores do município Denis Silvano Domingues e Diego Ferreira e também Odacir Raimondi do controle interno municipal.

Sabe-se que desde agosto de 2013 já existe Lei Federal Anticorrupção Empresarial, que visa a facilitar a punição civil de empresas corruptoras de agentes públicos corruptos.

Com essa Lei ficou mais fácil punir empresas que lesam o patrimônio e a administração pública quando verificada a prática de atos de corrupção. Para a implementação nos limites dos municípios, torna-se necessário que o poder público local regulamente os procedimentos relativos ao funcionamento.

Uma vez regulamentada, ficará fácil punir, judicial ou administrativamente, corruptores ou corruptos. E as punições não são brandas. Elas vão de seis mil a 60 milhões de reais e até a extinção compulsória do ente lesivo à administração pública.

Embora extremamente importante o aspecto punitivo da legislação, o Observatório Social de Erechim ressalta a positivação de regras para uma postura ética, quer na iniciativa privada, quer na esfera público-administrativa. Afinal, internamente, haverá mecanismos que garantam a ética na relação ao poder público e vice-versa, o chamado “compliance”.

Dessa forma, o Observatório Social de Erechim, mais uma vez, cumpre seus objetivos, chamando os entes públicos à discussão, justamente demonstrando a razão de existir: contribuir para a melhoria da gestão pública e consequente justiça social.

De acordo com o presidente do Observatório, Gustavo Andrei Rohenkohl, essa lei vem no sentido de criar uma cultura de anticorrupção no município, exigindo programas de integridade também aos fornecedores, justamente para resguardar o ente público. “Espera-se que o poder público não deixe este assunto cair no esquecimento, proporcionando a regulamentação necessária”, afirmou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade