divdiv
PUBLICIDADE

Esportes

Publicidade

Goleiro natural de Mariano Moro conquista o acesso com a Chapecoense

O goleiro concedeu uma entrevista exclusiva ao Jornal Atmosfera

Por: Matheus Cerutti
Fotos: Chapecoense
138903284_4207118915983829_6468230505838728914_o

O goleiro da Chapecoense João Ricardo Riedi, nascido em Mariano Moro, tem 32 anos, conquistou na noite desta terça-feira o acesso a elite do futebol nacional com a Chapecoense. João, é goleiro, iniciou sua carreira no Concórdia Atlético Clube.

Em 2015 o goleiro conquistou o acesso a série A com uma ótima campanha junto do América/MG, com seu ótimo ano, João renovou com o clube por 2 anos, e em 2016 conquistou o título do campeonato mineiro pelo América, sendo eleito o melhor goleiro daquela edição do mineiro e completou 100 jogos com a camisa do coelho.

No ano de 2017 João repetiu o feito de 2015, conseguiu novamente o acesso a serie a com o América, sendo naquele ano o campeão da serie B.

João Ricardo chegou a Chapecoense em janeiro de 2019, e na noite da última terça-feira, 12, conquistou o seu terceiro acesso para a série A como jogador.

Atualmente ele é o goleiro menos vazado da serie B 2020, onde sofreu apenas 18 gols

Em entrevista exclusiva ao jornal Atmosfera, o goleiro revelou a emoção de conquistar o acesso com a Chapecoense. “Fico muito feliz, sensação maravilhosa, só quem esteve aqui conosco sabe tudo o que sofremos, e o acesso era o que nós queriamos, colocar a Chapecoense de volta a elite do futebol nacional.”, disse João Ricardo.

O atleta falou sobre a emoção de estar em campo no jogo do acesso. “Sensação de dever cumprido, se falava muito no inicio da serie B na permanência, na soma de 45 pontos, e sair em um jogo tão importante como foi esse contra o Figueirense com o acesso, é quando olhamos lá para trás no inicio do campeonato e chagamos no nosso primeiro objetivo, sensação de dever cumprido.”, afirma o atleta.

O marianense ainda sonha em conquista o segundo título da série B. “Acho que fizemos uma boa temporada, começamos o ano com um pouco de dificuldade, mas depois as coisas se encaminharam, entraram nos trilhos, veio o titulo catarinense, e agora o acesso para a serie B, brigando direramente com o título. Para mim foi um ano muito bom, praticamente não tive lesões, pude jogar o ano todo, o coletivo foi muito bom, e com um grupo bom conseguimos se destacar pessoalmente também.”, concluiu João.

GIF-patrocinio esporte
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade