a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Saúde

Publicidade

Julho Laranja em prol da saúde bucal

Campanha alerta sobre a importância dos cuidados ortodônticos desde a infância

Por: Ascom Comunicativa
julho laranja

A campanha Julho Laranja foi idealizada com o intuito de chamar a atenção de toda a sociedade sobre a importância do tratamento ortodôntico precoce, para prevenir problemas de oclusão, ou seja, de posicionamento dos dentes e ossos maxilares. Muitas complicações ortodônticas podem ser evitadas se identificadas e tratadas precocemente.

A ortodontia preventiva é o tratamento ortodôntico realizado em crianças, em geral, a partir dos 6 anos de idade aproximadamente, dependendo do caso. Hoje em dia, com os avanços da odontologia, mesmo a criança que está na fase de dentição mista – ou seja, com dentes de leite e permanentes – pode usar aparelho ortodôntico, como explica a ortodontista Fernanda Baboni. “Os alinhadores invisíveis podem ser usados desde quando o paciente está trocando os dentinhos. Isso é muito positivo, porque o aparelho vai orientar os dentes permanentes que estão nascendo, para que já se estabeleçam na posição correta”. Vale lembrar que esse tipo de aparelho foi liberado para crianças no início desse ano, no Brasil.

Iniciar o tratamento ortodôntico e/ou  ortopédico precocemente só traz vantagens para a criança. “Como a criança ainda está se desenvolvendo, se o ortodontista intervém nessa fase, pode fazer um redireccionamento para a posição correta dos ossos da face e dá melhorias no posicionamento dos dentes, evitando a necessidade de tratamentos mais agressivos no futuro”.

“O aparelho pode ajudar a criança a desenvolver a fala, já que dentes apinhados prejudicam a dicção e até melhorar a mastigação, quando corrige a mordida. Ou seja, a ortodontia impacta diretamente na qualidade de vida da criança, em questões como comunicação, autoestima e até a nutrição”, comenta a especialista.

Além disso, de acordo com ela, o tratamento também pode ser necessário para crianças que cultivaram o hábito de chupar a chupeta e o dedo e acabaram ficando com o céu da boca constrito por esse motivo. “Temos até pacientes que deixam de chupar o dedo por causa do aparelho, portanto, ele também ajuda a criança a abandonar esse tipo de prática indesejável”.

Fernanda ressalta que a criança deve começar a ser levada ao dentista desde o nascimento do primeiro dente. “A partir disso, é preciso continuar com as consultas periódicas para que o profissional possa diagnosticar e tratar qualquer caso necessário”, finaliza.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade