a rádio web da cidade

AO VIVO
Baixe já seu app
PUBLICIDADE

Brasil

Publicidade

Leilão de aeroportos arrecada R$ 2,4 bi e tem ágio de 986%

Grupos estrangeiros travaram forte disputa pelos blocos ofertados

Por: Marlla Sabino - Poder 360
Fotos: Poder 360
recife_aerea_aeroportoguararapes1404_5813-1024x682-868x644

O leilão de 12 aeroportos da Infraero, o 1º no setor de infraestrutura do governo Bolsonaro, terminou com arrecadação de R$ 2,4 bilhões em outorga inicial. Grupos estrangeiros travaram forte disputa pelos blocos ofertados.

O ágio médio do leilão –diferença entre os valores mínimos para lances estabelecidos pelo governo e os valores ofertados pelas empresas e consórcios vencedores– foi de 986%.

A rodada marcou a estreia do modelo de blocos, conhecido como “filé com osso”. Os terminais foram concedidos em grupos em vez de disputas individuais:

  • Bloco Centro-Oeste: Cuiabá (MT), Sinop (MT), Rondonópolis (MT) e Alta Floresta (MT);
  • Bloco Nordeste: Recife (PE), Maceió (AL), João Pessoa (PB), Aracaju (SE), Juazeiro do Norte (CE) e Campina Grande (PB);
  • Bloco Sudeste: Vitória (ES) e Macaé (RJ);

Pelo modelo, o governo repassa à iniciativa privada aeroportos deficitários em conjunto com terminais mais atrativos para os investidores.

Os grupos estrangeiros Aena e Zurich e o consórcio Aeroeste venceram o leilão e vão administrar os aeroportos brasileiros pelos próximos 30 anos. Os terminais representam 9,5% da movimentação doméstica.

As empresas terão de investir R$ 3,5 bilhões ao longo do período em melhorias de infraestrutura externa. O valor da outorga inicial e dos ágios devem ser pagos à vista.

O Aena Internacional levou os aeroportos do bloco Nordeste ao dar o maior lance para o bloco após forte disputa com a Zurich Airport.

O grupo espanhol ofertou R$ 1,9 bilhão em outorga inicial. O montante é 1.010% maior do que o valor de lance mínimo previsto pela União, R$ 171 milhões.

O bloco Nordeste foi o mais disputado pelos investidores estrangeiros. O grupo era considerado o mais atrativo, por conta com o terminal de Recife (PE), 1 hub para voos internacionais, e pelo forte potencial atrativo da região.

Apesar de não conseguir arrematar os aeroportos nordestinos, a suíça Zurich levou o bloco Sudeste, com oferta de R$ 437 milhões, ágio 830,15% sobre lance mínimo, que era de R$ 47 milhões.

Em nota, a empresa afirmou que o resultado é “1 marco importante” para a ampliação do portfólio da companhia na região. A suíça atua no Brasil desde 2012 e opera os terminais de Confins (BH) e Florianópolis (SC).

O consórcio Aeroeste arrematou o bloco Centro-Oeste ao oferecer R$ 40 milhões, ágio de 4.739,88%. O lance mínimo era de R$ 800 mil.

Próximas Rodadas de Aeroportos 

A Infraero ainda terá 44 aeroportos no portfólio. O governo, no entanto, já tem 1 planejamento traçado para leiloar os terminais.

Na próxima 2ª feira (18.mar), o governo irá anunciar o lançamento de 3 novos blocos de aeroportos que devem ser concedidos em 2020. Ao todo, serão ofertados 22 terminais na 6ª rodada, divididos em 3 blocos, encabeçados pelos terminais de Curitiba, Manaus e Goiânia:

  • Bloco Sul: Curitiba, Bacacheri, Foz do Iguaçu, Navegantes, Londrina, Joinville, Pelotas, Uruguaiana e Bagé;
  • Bloco Norte 1: Manaus, Porto Velho, Rio Branco, Boa Vista, Cruzeiro do Sul, Tabatinga e Tefé;
  • Bloco Central: Goiânia, São Luis, Teresina, Palmas, Petrolina e Imperatriz;

O governo está tratando com governos estaduais para incluir os terminais de Parnaíba (PI) e Paulo Afonso (BA) no bloco Central.

Os aeroportos de Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ), considerados as “joias da coroa” do setor de aviação, só serão leiloados na última rodada, prevista para ser realizada até 2022.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade