divdiv
PUBLICIDADE

Saúde

Publicidade

Ministro da Saúde garante início da vacinação contra covid em janeiro

Pazuello afirmou que devem ser disponibilizadas nos próximos dias 8 milhões de doses das vacinas de Oxford e CoronaVac

Por: R7
vacina para Covid-19

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu pela primeira vez, nesta quarta-feira (13), que o Brasil começará o plano de vacinação contra covid-19 ainda em janeiro.

“Vamos vacinar em janeiro”, afirmou durante pronunciamento em Manaus (AM), ao destacar que serão usadas 8 milhões de doses dos imunizantes desenvolvidos pela Universidade de Oxford/AstraZenca e pelo Instituto Butantan/Sinovac.

Pazuello acrescentou que “a vacina será distribuída simultaneamente em todos os estados na sua proporção de população”.

O ministério já tem à disposição 6 milhões de doses da CoronaVac. Além disso, aguarda a chegada de 2 milhões de doses da vacina de Oxford importadas de um fornecedor da AstraZeneca na Índia, o que, segundo Pazuello, deve também ocorrer nos próximos dias.

“Hoje decola o avião para ir buscar as 2 milhões de doses na Índia. É o tempo de viajar e trazer. Já está com documento de exportação pronto. Data de decolagem [da Índia ao Brasil] para o dia 16”, afirmou. O avião da empresa aérea Azul decola de Recife.

Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) marcou para domingo (17) a reunião da Diretoria Colegiada para dar os pareceres sobre os pedidos de uso emergencial desses lotes das duas vacinas.

O titular da Saúde voltou a dizer que “em três ou quatro dias” após a liberação da agência reguladora, as vacinas estarão nos Estados. Desta forma, se não houver atrasos da Anvisa, é possível que a imunização tenha início na semana que vem.

“São 8 milhões de doses em janeiro. Em uma pernada, somos o país que mais imuniza no mundo, em janeiro. Sem contar, fevereiro, março, abril, maio, junho… que entram as grande quantidades de vacina. Nós somos o país que mais imuniza no mundo, sempre fomos. Temos o maior programa de imunização do mundo”, destacou Pazuello.

Entre o que será produzido pela Fiocruz (vacina de Oxford) e pelo Instituto Butatan, o Brasil prevê até o fim do ano 354 milhões de doses de imunizantes contra covid-19.

Índia

Após o anúncio do ministro, a companhia aérea Azul detalhou como será a operação para o transporte das doses entre a Índia e o Brasil, em um percurso de 12.000 km.

Um Airbus A330neo decola na noite de quinta-feira (14) — e não hoje, como disse Pazuello — do Recife para a cidade indiana de Mumbai. A previsão é de um voo direto de 15 horas.

A carga de 15 toneladas será embarcada no sábado (16), mesmo dia em que a aeronave retorna ao Brasil. O horário estimado do pouso no aeroporto internacional do Galeão é às 15h.

De lá, as vacinas serão levadas para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) da Fiocruz, a cerca de 11 km do aeroporto.

Em Manaus desde o início da semana, Pazuello acompanha os trabalhos para conter a crise que a cidade enfrenta com uma explosão de novos casos de covid-19 em meio a uma forte segunda onda de infecções.

Uma das ações anunciadas foi o envio para a cidade do Navio Doca Multipropósito Bahia, que é equipado com um complexo hospitalar de 500 m² e 49 leitos. A embarcação também possui capacidade para remoção de pacientes por meio de helicópteros.

O ministério ainda articula a logística do fornecimento de oxigênio para os hospitais da capital amazonense. Na terça-feira (12), o estado recebeu um reforço de 198 cilindros.

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE