divdiv
PUBLICIDADE

Estado

Publicidade

MPF recomenda à Defensoria Pública da União a retomada do atendimento ao público no RS

DPU não está recebendo novos pedidos de análise de indeferimento do auxílio financeiro emergencial desde o início do mês de julho

Por: Cristiane Rhoden/Ascom
Fotos: Divulgação
image_preview

O Ministério Público Federal (MPF), através do procurador regional dos Direitos do Cidadão Enrico Rodrigues de Freitas e do procurador da República Fabiano de Moraes, recomendou à Defensoria Pública da União (DPU) e à Defensoria Pública da União no Rio Grande do Sul (DPU/RS) o restabelecimento do imediato atendimento ao público de novos pedidos de assistência jurídica, ainda que de forma virtual, e especialmente para casos de Auxílio Emergencial, no prazo de 24 horas.

Também foi recomendada a revogação dos artigos das portarias que limitaram o número de abertura de novos processos de assistência jurídica integral e gratuita deferida por dia útil, ou qualquer outro limitador de atendimento, além da imediata alteração das informações constantes no site da DPU, indicando a retomada do recebimento de novos casos de pedido de atuação na defesa de recebimento do Auxílio Emergencial, sem o limite de atendimento de processos de assistência jurídica referentes ao não recebimento do auxílio.

A interrupção da recepção e processamento de pedidos de análise de indeferimento de Auxílio Financeiro Emergencial, por parte da DPU, ocorreu durante o mês completo de julho de 2020. A justificativa apresentada foi a regularização do grande passivo já existente. Segundo a DPU, agendar atendimento para longo prazo no futuro cria uma falsa expectativa no assistido e frustra a própria finalidade do auxílio emergencial. Além disso, portaria da DPU consignou às suas unidades a possibilidade de estabelecer limite diário de atendimento a quatro processos de assistência jurídica integral e gratuita deferida por dia útil por defensor, desde junho de 2020.

Para o MPF, o auxílio emergencial possui caráter essencial para assegurar o mínimo existencial para milhões de brasileiros afetados pelos efeitos da crise econômica sem precedentes que assola o país devido à pandemia de Covid-19.

STF – É pacífico o entendimento do Poder Judiciário, a frente o Supremo Tribunal Federal, de que em questões envolvendo o mínimo existencial não se aplica a restrição de reserva do possível. Tais direitos, em especial à alimentação, se sobrepõe ao princípio de reserva do possível, especialmente quando não demonstrada cabalmente a intransponibilidade de obstáculos à garantia do direito às condições mínimas de existência humana digna.

Em voto no processo ARE 745745MG, o Ministro Celso de Mello advertiu que “não pode ser invocada, pelo Estado, com a finalidade de exonerar-se, dolosamente, do cumprimento de suas obrigações constitucionais, notadamente quando, dessa conduta governamental negativa, puder resultar nulificação ou, até mesmo, aniquilação de direitos constitucionais impregnados de um sentido de essencial fundamentalidade.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade