PUBLICIDADE

Educação

Publicidade

Pediatra de São Paulo alerta sobre os perigos do tabagismo, álcool e drogas no meio escolar

A primeira palestra mobilizou mais de uma centena de pais, além de professores, médicos, fisioterapeutas, alunos do Curso de Medicina e do Curso Técnico em Enfermagem da Universidade

Por: Assessoria URI Erechim
DSC_0001

A Escola de Educação Básica e o Curso de Fisioterapia da URI promoveram três encontros em Erechim com o médico pediatra de São Paulo, João Paulo Backer Lotufo, conhecido nacionalmente como Dr. Bartô. As palestras ocorreram na noite de quinta-feira, 22, e na manhã de sexta-feira, 23, no Salão de Atos da Universidade, e trataram especificamente sobre o uso do tabaco, da bebida alcoólica e da maconha entre a juventude.

        A primeira palestra mobilizou mais de uma centena de pais, além de professores, médicos, fisioterapeutas, alunos do Curso de Medicina e do Curso Técnico em Enfermagem da Universidade. A segunda palestra foi destinada aos alunos dos ensinos fundamental e médio da Escola Básica.

        O Dr. Bartô, que é professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, contou sua experiência e os resultados alcançados com as campanhas de prevenção realizadas naquele estado, especialmente nas escolas. “Devemos tratar esse assunto com a maior seriedade possível. Em primeiro lugar, conscientizar os pais que o simples fato de fumar ou beber em família pode gerar grandes consequências no futuro”, informou.

        O palestrante, que atua no Hospital da Universidade de São Paulo (USP) como coordenador do projeto antidrogas naquela Instituição, disse que “tudo começa na família e é isso que temos percebido durante o nosso trabalho. Atendemos bebês e crianças que chegam até nós convulsionados porque a mãe é usuária de drogas e ao amamentar, repassa altas doses de drogas para o bebê que, muitas vezes, acaba perdendo a vida”, declarou.

        Outro aspecto salientado pelo conferencista é de que o uso da maconha é mais danoso do que se imagina. “Ela é quatro vezes mais agressiva do que o cigarro e causa danos irreversíveis ao cérebro, especialmente até os 21 anos quando ele ainda está em formação”, alertou.

        E é esse quadro que tem levado o pediatra a atuar em campanhas cada vez mais intensas no sentido de ampliar o trabalho de prevenção. “Temos uma rede cada vez maior de pessoas que estão aderindo a essa sistemática, pois é preciso que todos façamos algo a respeito”, disse o palestrante.

        O Dr. Bartô também manteve um encontro com lideranças da comunidade, na tarde de sexta-feira, 23, na Câmara de Vereadores, onde tratou sobre o que pode ser feito pelas autoridades municipais na adoção de leis que possam contribuir com a diminuição do consumo de álcool, cigarro e drogas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Publicidade