divdiv
PUBLICIDADE

Tempo

Publicidade

Semana com tendência de chuva, ventania e frio no RS

Defesa Civil faz novo alerta para risco de temporais em todo Estado

Por: Da Redação
WhatsApp Image 2020-07-06 at 14.01.17

A semana será marcada por chuva volumosa e ventos intensos novamente sobre o Estado, informa previsão da Somar Meteorologia distribuída pelo Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga). Na terça-feira (7/7), a formação de um novo sistema frontal, composto por uma nova frente fria e um ciclone extratropical sobre a região Sul, volta a provocar chuva intensa, trovoadas e ventania. Atenção para volumes elevados de chuva, que podem alcançar os três dígitos, o que aumenta o risco para transtornos na metade norte do Rio Grande do Sul.

No Alto Uruguai a previsão para esse terça-feira, 07, é de tempo severo,com chuva forte e trovoada de manhã, à tarde e à noite. Na quarta-feira, 08, o dia será chuvoso de manhã com aberturas de sol à tarde e pancadas de chuva que vão até a noite. As temperaturas nos dois dias ficam amenas. Vão variar entre 10º C e 15ºC.

A partir da quarta-feira (8/7), a chuva diminui, mas ventos seguem constantes. Entre quinta (9) e sexta-feira (10), o ar seco predomina e o frio aumenta, mas essa situação não é duradoura. A onda de frio é ligeiramente mais branda do que a anterior – embora ainda tenha previsão de geadas em áreas tradicionais. A chuva retorna no fim de semana.

Sul volta a entrar em alerta devido a risco de novos temporais

Desde ontem (5), uma frente fria vem provocando chuva intensa em Santa Catarina, ameaçando com novos temporais a população, ainda às voltas com as consequências do forte ciclone extratropical (ou ciclone-bomba) que atingiu o estado na última terça-feira (30). O ciclone matou deixou dez pessoas mortas e causou danos em residências, estabelecimentos comerciais e infraestrutura.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta de perigo devido ao risco de tempestades ao longo do dia de hoje (6). Segundo os meteorologistas, ventos intensos podem atingir algumas regiões catarinenses, variando entre 60 e 100 quilômetros por hora, aumentando a chance de queda de árvores, novos cortes no fornecimento de energia elétrica, estragos em plantações e alagamentos.

 

Giareton-Site-600x192
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE